camera gravando

Como criar uma estratégia matadora no YouTube em 2021

Os likes do Instagram e do TikTok apresentaram uma nova maneira para as marcas experimentarem vídeo, mas com 5 bilhões de vídeos sendo assistidos em sua plataforma diariamente – o YouTube ainda é o rei reinante do conteúdo visual.

Portanto, com isso em mente, aqui estão algumas dicas para você desenvolver uma estratégia matadora no YouTube em 2021, com motivos pelos quais a plataforma ainda deve ser a prioridade para os profissionais de marketing de mídia social.

1. Crie conteúdo simples

Um dos maiores equívocos sobre o YouTube é que o sucesso só acontece se um vídeo se tornar viral. Costuma-se pensar que se você não pode entregar gatos fazendo travessuras ou mostrar uma pegadinha que deu errado – não é para você.

Isso é totalmente errado, é claro, especialmente considerando as formas em que os usuários estão consumindo conteúdo de vídeo.

Embora seja verdade que muitas pessoas assistem ao YouTube em seus celulares, isso não significa necessariamente que queiram vídeos extremamente curtos ou puramente divertidos. O Google sugere que, quando se trata de visualização de vídeo, o celular é muito parecido com a TV, o que significa que as pessoas estão de fato assistindo à noite, em casa e para relaxar.

Como resultado, as marcas não devem mais pensar no YouTube no contexto do entretenimento “em movimento”. Em vez disso, há espaço para conteúdo simples, ou seja, vídeos mais longos e com mais variedade – sejam informativos, educacionais ou mesmo divertidos.

2. Seja consistente

Uma característica compartilhada pelos canais de maior sucesso no YouTube é a consistência. A forma mais óbvia é a frequência com que os vídeos são postados, com grandes marcas normalmente postando a cada dois dias ou mesmo todos os dias.

No entanto, consistência não significa necessariamente ter um canal altamente povoado de conteúdo, apesar de isso ser muito importante. Em vez disso, as marcas podem criar consistência em termos de formato, o que significa que publicam o mesmo estilo de conteúdo. Isso também pode ocorrer apresentando as mesmas pessoas ou voltando a um tema ou tópico recorrente. O benefício geral é que os espectadores sabem o que esperar de um canal, com a familiaridade ajudando a construir a lealdade ao longo do tempo.

Para alcançar consistência, é vital que as marcas construam um plano ou estratégia de conteúdo, mapeando quando e quais vídeos serão criados e postados.

3. Construa uma comunidade

Embora um vídeo comum, isolado, possa ser eficaz para chamar a atenção, ele tende a criar uma experiência passiva do usuário (em que o espectador está simplesmente assistindo, em vez de interagir).

Em contraste, a beleza do YouTube é que ele cria um senso de comunidade para as marcas, com cada canal tendo o potencial de construir um público leal e altamente engajado.

Existe o entendimento comum (tanto dos criadores quanto dos espectadores) de que os comentários são esperados e apreciados. As marcas devem, portanto, estar prontas e dispostas a responder para construir um relacionamento com o público ao longo de um ciclo de comunicação e interação.

4. Incentive a ação

Novamente, é importante que as marcas estimulem os usuários a deixar comentários, mas também existem várias outras maneiras pelas quais as marcas podem ajudar a construir um público e promover a lealdade. Os cards do YouTube são uma ferramenta simples – são notificações pré-programadas que aparecem nos vídeos para apontar os espectadores para outro lugar (em um vídeo que pode ser comprado, por exemplo, um cartão pode ter um link para um produto em destaque).

As telas finais também são uma ferramenta valiosa. Isso permite que marcas ou criadores promovam até quatro elementos no final de um vídeo, como outro vídeo, lista de reprodução ou um site externo. Isso permite que o espectador saiba que ele pode realizar outras ações, o que pode ajudar a mantê-lo dentro das paredes do canal, em vez de clicar em outro lugar.

5. Ofereça algo que seja de ajuda

O conteúdo de ajuda é autoexplicativo. Quais perguntas comuns dos consumidores podem responder em um vídeo curto? Estes são os vídeos que aparecem quando um cliente vai para o Google ou Youtube, o que significa que a análise de volume de pesquisa é uma maneira fácil de acompanhar os problemas que os clientes estão enfrentando.

Ser visível naquele momento tem uma série de benefícios. Primeiro, mantém o engajamento, cultivando uma relação mais longa entre marca e consumidor, o que é importante para a retenção. Segundo, mostra a expertise de sua empresa ou a sua, um potencial ponto de diferença no mercado. Três, a empresa pode analisar seu conteúdo de ajuda para acompanhar problemas que os consumidores estão enfrentando e usar as informações para inspirar o desenvolvimento do produto.

6. Dê importância para o conteúdo móvel

O Google sugere que três em cada quatro adultos relatam assistir ao YouTube em casa em seus dispositivos móveis.

Não apenas está claro que mais pessoas estão acessando conteúdo de vídeo em seus smartphones, mas parece que isso também pode ser um fator positivo automático para as marcas, já que os usuários do YouTube para celular também têm duas vezes mais probabilidade de prestar atenção enquanto assistem, comparados para os telespectadores.

Isso ocorre porque o ato de assistir a um vídeo no celular oferece menos distração. Em comparação, enquanto assistem à televisão tradicional, os espectadores podem estar mais propensos a participar de outra atividade ao mesmo tempo, como cozinhar, limpar ou usar outro dispositivo.

Então, como as marcas podem lucrar com isso? Novamente, trata-se de pensar na necessidade do usuário, com uma estratégia que prioriza os dispositivos móveis, ajudando a entregar conteúdo relevante e envolvente em um contexto em tempo real.

7. Faça parcerias

O YouTube é dominado por uma forma única de celebridade que só existe nos últimos anos — o YouTuber. Essas estrelas constroem enormes seguidores em torno de seus canais, que podem angariar milhões de seguidores e bilhões de visualizações.

Embora haja um equívoco comum de que os YouTubers atraem apenas o público millennial, milhares de criadores de conteúdo popular voltados para indivíduos mais velhos discordariam. Há estrelas do YouTube para todos os interesses — enquanto os vlogs estereotipados do YouTuber sobre beleza, videogame ou moda, muitos deles fazem vídeos sobre organização doméstica, paternidade, reparo de carros e tudo mais que poderia interessar a um consumidor.

Tente entrar em contato com um YouTuber que faz vídeos sobre sua indústria, ou aquele que ressoa com seu cliente desejado. Esta é uma maneira extremamente eficaz de chamar a atenção para sua marca e conteúdo, e é um ganha-ganha para ambas as partes envolvidas. Quando você colabora com alguém que tem um público semelhante ao seu, a exposição cruzada é orgânica e lucrativa.

8. Capriche nas thumbnails (miniaturas de vídeo)

Uma vez que suas miniaturas de vídeo do YouTube e descrição são as que fornecem um vislumbre do seu conteúdo, otimize-as para melhores resultados. Sua miniatura do YouTube deve pressionar os usuários do YouTube a clicar e assistir ao seu vídeo. Os elementos mais importantes de uma boa imagem em miniatura do YouTube incluem uma imagem e uma legenda. Adicione uma imagem estalando e legenda que chama a atenção do seu público. Use close-ups faciais para obter a melhor resposta. A ideia é criar uma representação visual do conteúdo do vídeo na miniatura.

Igualmente importante em sua estratégia de marketing do YouTube é a sua descrição de vídeo. Faça com que todas as suas descrições de vídeo do YouTube sejam otimizadas para melhorar o SEO do YouTube. Além disso, certifique-se de que suas descrições de vídeo do YouTube se alinhem e elogiem seu conteúdo de vídeo do YouTube. Além de usar palavras-chave, use frases cativante que pressionem os usuários para apertar o botão de reprodução em seus vídeos.

  Quer ajuda profissional para seu canal no YouTube? CLIQUE AQUI e conheça nossos serviços!

como funcionam as tags

Seu canal no YouTube recebe muitos ataques de haters? Veja aqui o que fazer

Lidar com haters é um dos aspectos mais difíceis do YouTube como criador.
As pessoas gostam de dizer aos outros que estão errados (mesmo que não estejam).
É a natureza humana que se aplica ao YouTube e outras mídias sociais também.

Esperamos que esse artigo te ajude a lidar melhor com comentários negativos e agressivos que infelizmente todo canal e todo perfil social está sujeito.

Vamos primeiro tirar um pouco da semântica do caminho:
O que é um comentário negativo?
Um comentário negativo ou de ódio significa algo diferente para todos.
Um comentário negativo pode ser que alguém não concorda com sua opinião de forma respeitosa. Comentários negativos, portanto, não são exatamente comentários com ódio ou de haters. Ao contrário, pessoas que gostam do seu conteúdo podem em algum momento, fazer comentários negativos, mas porque querem que você continue fazendo conteúdo que seja interessante para elas. E não há nada de errado nisso.
Então nosso foco aqui serão os haters mesmo.
Pessoas que têm o desejo de ferir os outros com palavras, simplesmente “porque sim”.

1. Haters muitas vezes odeiam porque não conseguem ser felizes de outra forma

Infelizmente, há muitas pessoas que não conseguem se divertir na internet de outra forma, sem ser atacando a outras pessoas. Muitas vezes a motivação é porque elas gostariam de ter ou ser como as pessoas que elas vitimizam online. Mas por algum motivo, elas não conseguiram ou não se sentem capazes de conseguir. E pela frustração, vão ao ataque!

2. Também existem haters que o são por incompetência

Também há muitas pessoas no mundo que não têm pontos de QI suficientes, nenhuma educação adequada, nenhum emprego, nenhuma vida social, nenhum relacionamento, nenhuma perseverança, nenhum objetivo em suas vidas e nada pelo que viver.
Eles passam o dia inteiro assistindo a vídeos no YouTube e comentando sobre os vídeos.

Em outros casos, podem ser pessoas que foram influenciadas por tantas fake news que querem atacar a quem elas acham que estão fazendo algo errado. Seja como for, um hater é alguém que em sua essência, crê que atacando pessoas o dia dele ou dela vai ser mais feliz.

3. Como você responde aos haters no YouTube?

Nunca entre em discussão com as pessoas, especialmente quando tem uma vibe negativa.
Em primeiro lugar, eles não valem a pena.
Em segundo lugar, algumas pessoas são mestres em encontrar pontos fracos em outras pessoas.
Tente rir disso e sacudi-lo dos ombros.
Não dê ao hater qualquer indício de que o comentário o magoou. Isso seria exatamente o que ele quer.

Nem sempre dar uma resposta é algo sensato. Às vezes, queremos dar uma resposta inteligente, para “destruir o hater, mas o que conseguimos é somente dar mais energia ao hater para que ele continue te atacando. Então a melhor opção é deixar de lado a discussão e não entrar no jogo dele.
Além disso, você nunca pode vencer uma discussão. A única maneira de obter o máximo de uma discussão é não entrar nela. Uma discussão só é resolvida com a vitória de uma das partes. E nesse processo, você precisa se lembrar que muitos seguidores seus estão “assistindo” a discussão entre você e o hater. Dependendo do que você responder, você pode piorar a situação e ficar mal com outros seguidores.
Mas e se você decidir responder?
Lembre-se que você é o influenciador ou influenciador. Você é o especialista. Nunca desça no nível de quem apenas quer te machucar. Não funciona.

Existem casos em que é necessário dar uma resposta. Por exemplo se alguém faz uma acusação pesada sobre você e ainda por cima parece apresentar provas dela, aí é necessário que você responda. Mas nunca com pressa, nem motivado pela raiva que talvez você esteja sentindo no momento. Se você tiver uma assessoria (ei, somos uma assessoria, sabia?) acione imediatamente. Sua assessoria vai saber o que fazer, planejar uma estratégia e uma resposta adequada. Sempre com o objetivo de defender sua reputação.

4. Devo deletar comentários de ódio?

Sim e não.
Em alguns casos, a negatividade gerará mais negatividade e o botão de exclusão erradicará totalmente o mal.

Mas tenha cuidado, a exclusão pode sair pela culatra.
Isso pode despertar mais raiva do que o problema original em questão.
O odiador pode levar o problema para fora do YouTube (um fórum, por exemplo), onde você não tem nenhum olho ou controle sobre a situação.
Já que tudo na internet está lá para ser dito para a eternidade, você nunca pode apagá-lo.

Esta é uma das razões pelas quais a maioria dos grandes criadores não responde aos comentários e opta por ignorar.
Muitas vezes ignorar é a melhor opção, pois pode apagar a chama sem que ela entre em conflito.

Ferramentas como o TubeBuddy têm um botão ocultar para comentários.
Você não precisará mais ver o comentário, mas também não o excluiu.
O próprio YouTube tem um recurso de ocultar para certos usuários, todos os comentários são ocultados do usuário para o público, mas o comentarista não pode ver isso.

5. Como evitar comentários negativos?

Resumindo: você não pode.
O YouTube aplica de forma lamentável o comportamento negativo do comentarista com sua atitude em relação aos comentários.
No livro do YouTube: um comentário é uma coisa boa, é engajamento.
Engajamento é igual a promoção. Nesse mesmo raciocínio, quanto mais comentários no seu vídeo, mais engajamento. E quanto mais engajamento seu vídeo tiver, mais relevância ele vai ter. E mais visualizações. Então, isso pode ser um ótimo motivo para deixar o povo comentar livremente nos seus vídeos. O ódios deles pode alimentar seu sucesso!

As pessoas não são responsáveis pelo que dizem ou fazem na Internet.
Eles podem postar anonimamente sem repercussões.
É fácil postar anonimamente as coisas mais odiosas? Odiadores sempre odiarão. A única maneira de lidar com isso é aceitar essa situação. COMO você lida com a situação, é o que conta.

 

6. É uma perda de tempo

Cada segundo que você pensa em um comentário estúpido, é uma perda de tempo.
Tempo que você poderia ter gastado em algo útil que ajude seu canal no YouTube.
O comentador continua com sua vida e não pensa duas vezes, e você se sente mal com isso.
Sim, é mais fácil falar do que fazer, mas é a verdade.

7. É uma luta pelo poder

Como criador do YouTube, você é visto como uma autoridade.
Da perspectiva dos comentadores: quão incrível é saber mais do que outra pessoa? Você quer esfregar isso na cara deles? (nos comentários).
É bom ser superior, não se sentir um fracasso por um momento, e ver uma figura de autoridade falhar.

Não crescemos como espécie humana, ainda somos crianças no parquinho que zombam da outra criança.
Triste, mas verdadeiro. Se você, como criador do YouTube, se sente mal com um comentário: 1 ponto para o comentador, 0 para o criador.

8. Síndrome do impostor

Você é a figura de autoridade como criador do YouTube e as pessoas pensam e esperam que você saiba tudo do seu nicho de atuação.
Então, haverá algum momento em sua carreira de influenciador digital em que alguém vai apontar um erro em um vídeo seu e o erro pode ser real.
Se você estiver errado, não tenha medo de admitir.
Seja honesto sobre isso, isso ajuda muito.
Você não pode saber tudo. Além disso, um comentário que aponte um erro real seu não é de hater.

9. Desative as notificações de comentários

Você pode desligar as notificações de comentários e ir para a seção de comentários apenas quando estiver pronto para isso.
Se você tem um dia de folga, ou não está com vontade hoje, não leia os comentários.
É tranquilo e sossegado.

 

10. Desative os comentários

Muitos criadores têm comentários ativados para todos os vídeos, porque isso ajuda na promoção de seus vídeos (é um fator de classificação).
Mas você não precisa.

Você pode ativar ou desativar os comentários por vídeo, também pode defini-lo como padrão, de modo que toda vez que você enviar um novo vídeo, os comentários serão ativados ou desativados por padrão.

Se você realmente tiver problemas com os comentários, pode desligar completamente.
No entanto, você precisa saber que os comentários ajudam muito na classificação do seu vídeo. Então você pode estar prejudicando a seu conteúdo se desativar os comentários. Além disso, seu público perde a oportunidade de interagir com você sobre o conteúdo em questão.
Não é a melhor opção, mas ela existe e você pode optar por ela.

11. Concordar em discordar

Você não tem que concordar com o comentador.
Você pode dizer isso a eles com respeito: concorde em discordar.

Se você reconhecer a validade das afirmações no comentário, alguém se sentirá ouvido.
Ser reconhecido às vezes é mais importante do que estar certo.

12. Comentários negativos são confiança

Quando você tem apenas comentários positivos em seus vídeos, pode ser suspeito, principalmente como marca.
Você ganha mais confiança se também tiver comentários negativos.
Porque ninguém é 100% perfeito.

Algo para se pensar quando você usa muito o botão de exclusão.

13. 99% não comentam

A maioria das pessoas que fica satisfeita depois de assistir ao seu vídeo não deixa comentários.
Você não ouve essas pessoas porque elas não são vocais nos comentários.
O fato de você não os ouvir não significa que eles não estejam lá. A maioria de seus espectadores são pessoas decentes e inteligentes, mas não sinta vontade de comentar. Às vezes é fácil esquecer isso.

14. 99% são bons comentários

Não se esqueça que de 100 comentários, 99 são positivos. A menos que seu vídeo seja algo que vá contra o que é aceitável na sociedade.

E sim, existem vídeos no YouTube com maioria de comentários negativos. Mas novamente, geralmente são vídeos de grande polêmica e aí não tem jeito. Se seu conteúdo não é polêmico, então você pode ficar tranquilo que a maioria dos comentários não serão de haters.
Mas nós, humanos, tendemos a dar um zoom naquele 1 comentário negativo, que apaga todos os outros 99 comentários bons.

15. Transforme veneno em remédio

Comentários negativos também podem ser uma oportunidade de transformar um odiador em fã.
Se você pedir um feedback construtivo a um odiador, isso pode transformá-lo em um fã para o resto da vida.
Eles se sentem ouvidos.

Pergunte a ele porque ele pensa dessa forma que ele comentou. Tente descobrir, sem ser agressivo, o motivo do comentário do hater. Em alguns casos, o hater pode se sentir notado e pode se transformar em um aliado. Acredite, isso acontece mais do que você pensa!
Você pode realmente obter alguns comentários úteis que ajudam na qualidade do seu conteúdo.

16. Comentários negativos não são todos ruins

Embora muitos comentários ruins tenham uma conotação negativa, eles podem ser um feedback útil.

Por exemplo:
Se você receber um comentário desagradável sobre a música de fundo em um de seus vídeos, mesmo que for um comentário nada agradável de ler, dê atenção a isso.
Assista novamente ao vídeo e veja como está o áudio. Veja se usando fones de ouvido e usando o som do computador você consegue detectar se o som não está bom realmente.
Se detectar problemas, então o comentário, mesmo cheio de ódio, te ajudou a melhorar a qualidade dos seus vídeos. Agradeça ao hater!

 

17. Admita que você está errado

Não importa quanta pesquisa você faça, os erros às vezes escapam pelas rachaduras.
Alguém vai apontar isso nos comentários, isso é uma garantia.

Não há vergonha em admitir que você estava errado.
Você pode pensar que perde o prestígio, mas na verdade isso o torna mais humano e acessível.
As pessoas provavelmente o respeitarão mais por isso.
Pedir desculpas é opcional. Mas é poderoso

19. Feedback construtivo

Feedback construtivo e respeitoso é raro no YouTube.
Mas acontece.
Sempre agradeça ao comentarista por ser respeitoso com isso, mesmo quando não esteja de acordo.

 

 

22. Você não pode raciocinar com estupidez

Você simplesmente não pode raciocinar com estupidez, simplesmente não pode.
Nem vale a pena o uso de seu cérebro, espaço ou tempo.

Conclusão

Sempre tenha uma atitude positiva em seus vídeos.
Isso começa com sua miniatura e título.
As primeiras impressões negativas atrairão pessoas negativas.

Quando se trata de haters:
Você tem que tomar uma decisão consciente para não deixar que isso o atinja, caso contrário, isso vai consumir você e desmotivar você.
Isso é um desperdício de todo o esforço que você coloca em seu canal do YouTube.

Se você receber um comentário odioso, pergunte-se: onde esse comentário se encaixa na minha vida?
É útil para mim ou para a qualidade do conteúdo? Não?
Tente esquecer!
E novamente, é mais fácil falar do que fazer.

E se você quer ajudar profissional para sua carreira de YouTuber, CLIQUE AQUI.

filhos canal youtube

10 dicas de como começar um canal no YouTube de maneira fácil

O YouTube é extremamente popular e um ótimo lugar para mostrar seus negócios e produtos digitais. Com mais de um bilhão de horas assistidas diariamente, o YouTube é agora o segundo site mais visitado e o segundo maior mecanismo de busca depois do Google. Com tanto a ganhar compartilhando seus vídeos com o mundo no YouTube, por que não começar agora?

Compilamos 10 dicas sobre como iniciar um canal no YouTube para iniciantes para ajudá-lo a começar:

1. Conheça o propósito do seu canal

2. Crie seu canal no YouTube

3. Verifique sua conta

4. Crie um banner

5. Conheça seu nicho

6. Basta começar a gravar

7. Não se esqueça do SEO

8. Conheça as análises do YouTube

9.Não se preocupe muito com sua câmera

10. Preocupe-se com áudio

Como um canal no YouTube pode ajudar seu negócio de conhecimento

Antes de mergulharmos nas dicas, vamos ver como o YouTube pode ajudar seu negócio de conhecimento. As principais vantagens são:

  • Você pode construir uma audiência de fãs que você pode eventualmente vender.
  • Você pode construir credibilidade e autoridade sobre os tópicos. A partir daí, você pode vender cursos sobre esse tema, escrever livros, falar em conferências, coach e muito mais.
  • O YouTube pode ser um ótimo condutor de tráfego para o seu site. Uma vez que eles estão em seu site, você pode colocá-los em seus funis de vendas para eventualmente aumentar a receita. 

Devo começar um canal no YouTube para o meu negócio?

Sim, mas só se ele se encaixa com os objetivos do seu negócio e você se dedica a criar conteúdo de vídeo para ele ao longo do período. Se você não está comprometido em criar muito conteúdo de vídeo, seu canal no YouTube provavelmente não será bem-sucedido.

1. Conheça o propósito do seu canal

Primeiro, você precisa saber o propósito do seu canal no YouTube. Esta é uma das dicas mais importantes do YouTube para iniciantes. Você quer compartilhar sua paixão com o mundo? O YouTube faz parte da sua estratégia de marketing de conteúdo de vídeo para promover o seu negócio? Você está procurando integrar as mídias sociais e estratégias de video marketing? Você está tentando fazer do seu canal no YouTube o seu negócio? Definir um propósito ajudará a guiá-lo enquanto você começa a criar conteúdo.

Se você está começando um canal no YouTube para promover o seu negócio, provavelmente vai querer marcá-lo com o nome da sua empresa. Você também pode vincular seu canal ao site da sua empresa e outras contas de mídia social. Ter uma forte compreensão sobre o propósito também pode ajudá-lo a ter ideias para os tipos de conteúdo de vídeo que provavelmente irão falar com seu público. Se você entrar cegamente, sem planejamento, no seu canal do YouTube, você pode sofrer por ter conteúdo desfocado que carece de coesão e afasta os inscritos.

2. Crie seu canal no YouTube

Agora você está pronto para criar seu canal no YouTube. Aqui está um passo a passo de alto nível para ajudá-lo a orientar através da configuração do seu primeiro canal no YouTube.

  • Se você ainda não tem uma conta no Google, você precisará se inscrever para uma. Depois de criar um nome de usuário e senha, você será solicitado a fornecer seu número de telefone para verificação da conta.
  • Depois de criar e acessar sua conta do Google, vá até o YouTube e faça login com seu nome de usuário.
  • Em seguida, tome qualquer ação que exija que você tenha um canal no YouTube. Isso inclui deixar um comentário em um vídeo ou criar uma lista de reprodução. Recomendamos a ação ‘upload de vídeo’, pois lhe dará solicitações para guiá-lo através da criação de seu próprio canal.
  • Você será perguntado se deseja criar seu canal usando o nome associado à sua conta do Google ou com uma conta de marca. A vantagem de usar uma conta de marca é que você poderá dar acesso à gestão de canais a várias pessoas. Depois de escolher qual opção gostaria de usar, o YouTube configurará seu canal. É simples assim. 

3. Verifique sua conta

Depois de criar seu canal no YouTube, você precisará verificar. Isso permitirá certos recursos aos seus não ter acesso sem verificação. Isso inclui coisas como a capacidade de personalizar suas miniaturas de vídeo. Ter uma miniatura (thumbnail) envolvente pode ser a diferença entre as pessoas clicarem para assistir ao seu vídeo, ou ignorá-lo completamente.

Para verificar sua conta:

  • Navegue até “Status e recursos do canal” nas configurações do YouTube.
  • Depois de redirecionar, clique no botão azul “Verificar” na parte superior da página.
  • Você será solicitado a dar seu número de telefone, momento em que você pode selecionar entre obter um código de verificação via texto ou chamada de voz. Este código de verificação deve chegar rapidamente. 

4. Crie um banner

Todos sabemos como as primeiras impressões são importantes. Eles podem definir o tom de toda a sua interação com qualquer pessoa em qualquer circunstância. Seu banner de canal no YouTube provavelmente será a primeira coisa que seus telespectadores e possíveis assinantes verão ao visitar seu canal. É grande e fica bem no topo da página principal do seu canal.

Esta é a sua chance de causar essa boa primeira impressão. Um banner eficaz permitirá que o espectador saiba onde eles estão, seduzirá o espectador a ficar e conferir alguns vídeos, e pode até fazê-los confiar um pouco em você.

Criar arte de canal no YouTube não deve ser problema se você tiver habilidades de design. Se você não está tão confiante em seu ofício, existem várias ferramentas e modelos online que tornarão todo o processo muito mais fácil. Canva é uma plataforma de design gráfico fácil de usar com vários modelos de arte de canal do YouTube que podem ajudá-lo a começar a projetar seu próprio banner.

Existem algumas restrições de tamanho para banners considerarem:

  • O tamanho mínimo para o banner é 2048 x 1152 pixels
  • O tamanho máximo do arquivo é de 6MB
  • Seu banner será diferente dependendo se você está visualizando-o em um celular ou um dispositivo desktop
  • Coloque seu logotipo e texto crítico na área central 1540 x 427 do banner para minimizar o risco de cortar o conteúdo. Esta área é considerada a “zona segura”.

Uma vez que seu design seja finalizado, vá para o seu canal e passe o mouse sobre a área onde seu banner estaria. Você verá um ícone de câmera piscando no canto superior direito da área do banner. Clique no ícone e faça o upload!

Se você ainda não tiver que enviar nenhum vídeo, você precisará clicar em “Personalizar canal” para o canto superior direito da página. Aqui você verá uma prévia da página inicial do seu canal. Clique em “Adicionar arte do canal” onde o banner estaria, o que o levará a carregar seu banner. Agradável e fácil. 

5. Conheça seu nicho

O conteúdo focado é importante. Tente encontrar seu nicho e se ater a ele. Descubra a área/assunto/tópico que você deseja falar e com quem deseja falar. O público é mais propenso a confiar e se envolver com criadores de conteúdo que possuem autoridade e proficiência. Certifique-se de direcionar sua estratégia de conteúdo de vídeo para sua área de especialização.

Se você está construindo uma estratégia de marketing de conteúdo de vídeo para promover um negócio existente, há uma boa chance de você já saber quais serviços/produtos você tem a oferecer e a quem você está oferecendo a eles. Mas se você está entrando no YouTube com a esperança de torná-lo seu negócio, você pode ter mais dificuldade em encontrar seu nicho. Concentre-se em coisas que você já é proficiente ou estabeleceu credibilidade. Pense em um assunto pelo que você é apaixonado e quer compartilhar com os outros.

Seu nicho pode ser muito específico? certo. Criar conteúdo apenas em torno de como mudar suas cordas de guitarra é provavelmente um pouco focado demais. Mas um vídeo sobre como mudar suas cordas de guitarra pode ser um excelente candidato para o seu canal de reparo e manutenção de guitarra. É mais fácil construir autoridade e confiabilidade em torno de um nicho específico do que para uma variedade de assuntos quase relacionados, por isso não deixe de alinhar isso com sua área de atuação.

6. Basta começar a gravar

“A prática faz a perfeição” pode ser um ditado brega, mas isso não o torna menos verdade. Assista YouTubers profissionais suficientes e você encontrará um sentimento semelhante. Embora possa ser fácil criticar a qualidade ou consistência do seu trabalho inicial, você deve se orgulhar do esforço necessário para chegar lá. Além disso, o trabalho antecipado ainda pode gerar inscritos!

Ponha a mão na massa! Comece a fazer seus vídeos o mais rápido possível. Aprender a iniciar um canal no YouTube como iniciante se resume em parte a apontar a câmera e filmar.

Brincar com ângulos de câmera. Dê atenção à sua voz. Descubra como tirar suas fotos. Dê atenção também com a edição. Esta é a sua hora de começar a ganhar experiência. Comece a filmar.

7. Não se esqueça do SEO

O YouTube não é apenas uma plataforma de vídeo, é um mecanismo de busca de vídeos. Os vídeos do YouTube são frequentemente alguns dos primeiros resultados que você vê ao pesquisar no Google. É importante se familiarizar com as melhores práticas de SEO para o YouTube.

Uma estratégia importante é colocar palavras-chave direcionadas no nome do arquivo de vídeo, título de vídeo e descrição do vídeo. Se for o caso, você pode até colocar palavras-chave direcionadas na marca do seu canal. Você também pode marcar seus vídeos com as palavras-chave relevantes que deseja aparecer.

Grande parte do SEO básico transfere para SEO para o YouTube. Construa uma fundação com uma pesquisa sólida de palavras-chave. Descubra quais termos estão sendo procurados em seu nicho e use-os. Enquanto você está recebendo seus rolamentos, atire em palavras-chave com menos concorrência, mas volume de pesquisa substancial.

Não se esqueça da pesquisa de concorrentes. Veja quem está classificando para suas palavras-chave e termos de destino e tente identificar as coisas que eles estão fazendo bem. Isso lhe dará inspiração para o que você deve estar fazendo e, o mais importante, ideias de sementes para como fazê-lo melhor. 

8. Conheça as análises do YouTube

Os dados são a chave para entender se seus vídeos estão se realizando e se seus esforços de SEO estão funcionando. A análise do YouTube fornecerá vários pontos-chave de dados, incluindo quantas visualizações seus vídeos obtêm, de onde esses espectadores estão vindo e quantos assinantes você tem. Visualizações e assinantes podem servir como um bom ponto de pulso para o engajamento inicial do público.

À medida que você continua a crescer seu canal no YouTube, um dos pontos de dados mais importantes que você encontrará é o Watch Time. Esta é a quantidade de tempo que as pessoas passaram assistindo seus vídeos.

Isso é importante porque o YouTube tende a classificar vídeos com tempos de relógio mais longos mais altos. O YouTube também é mais propenso a exibir vídeos com horários de alta frequência. Mas isso não significa necessariamente que você deve criar vídeos super longos.

O YouTube também dá importância a fatores como o tempo médio de duração (quanto tempo as pessoas gastam em um vídeo em média) e percentual médio visualizado (quanto do vídeo as pessoas realmente assistiram). Ambas as métricas podem ser acessadas através do Analytics do YouTube.

Essas são as três métricas que o YouTube usa para medir o quão envolvente seus vídeos você é. Quanto mais envolvente, maior a chance do seu vídeo ser classificado alto e/ou apresentado pelo YouTube.

9. Não se preocupe muito com sua câmera

Uma preocupação comum que as pessoas têm ao olhar para como iniciar um canal no YouTube para iniciantes é a configuração da câmera. Alguns YouTubers podem ter medo de parecer um novato com equipamento ruim, enquanto outros podem estar animados com um novo brinquedo.

De qualquer forma, conseguir a melhor câmera não deve ser uma prioridade máxima. Seu smartphone provavelmente poderia fazer o trabalho por enquanto, e muito bem. Em vez de obter uma nova câmera imediatamente, procure obter ferramentas que possam tornar mais fácil filmar com o seu telefone, como um tripé ou suporte.

Eventualmente, você vai querer atualizar sua câmera quando chegar a hora.

10. Preocupe-se com áudio

Woman sitting at desk, looking at computer and recording herself through a microphone

Um dos erros mais comuns que os novos YouTubers cometem é concentrar-se demais na qualidade do vídeo e não o suficiente no áudio. Na verdade, deve ser o contrário porque nada estraga um vídeo mais rápido do que o áudio ruim. Se o seu áudio não estiver claro, sua música de fundo é muito alta, ou você fala muito suavemente, você certamente verá reclamações nos comentários.

Certifique-se de que o que precisa ser ouvido seja ouvido. A melhor e mais imediata maneira de fazer isso é tendo microfones fortes. Uma dica muitas vezes negligenciada do YouTube para iniciantes é investir em um bom microfone antes de uma boa câmera. 

Usando seu canal no YouTube para impulsionar seu negócio de conhecimento

Esperamos que essas dicas para começar um canal no YouTube aumentem sua confiança e o capacitem a começar a criar. Há tanto potencial que você pode alcançar criando conteúdo de vídeo. Seja você um empreendedor, dono de pequenas empresas ou criador de cursos, o vídeo é uma ótima maneira de se conectar com um público e compartilhar sua experiência com o mundo.

 

Canais do YouTube foram clonados, junto com toda a plataforma – O seu também foi?

Desde que o YouTube começou a se diferenciar pelo fato de oferecer a possibilidade de “qualquer um” poder publicar um vídeo, a plataforma não parou de crescer e se tornar popular.

Rapidamente, muitas pessoas passaram a preparar conteúdos mais elaborados, com o objetivo de atingir mais audiência. Com isso, o YouTube passou de um local para entretenimento para uma plataforma de negócios.

Negócios pra muita gente. Agora imagine que você fosse o dono do YouTube. Bom, para algumas pessoas, imaginar não e o suficiente. Elas quiseram “clonar” o YouTube e todo seu conteúdo. Isso mesmo!

Os sites “Kzclip” e “Th-cam” fizeram isso. De alguma forma, praticamente todo o conteúdo que está no YouTube foi parar lá. Os sites tem uma interface bem parecida com a do YouTube e apresenta os canais, links e páginas de canal de maneira extremamente semelhante ao modo em que o YouTube faz.

Os sites chegam a copiar até mesmo o texto de descrição dos videos e o texto da descrição dos canais, substituindo a palavra “YouTube” caso exista no texto original, pelo nome do site clone.

Até mesmo os comentários feitos nos vídeos são clonados! É possível que todo o conteúdo do YouTube esteja lá, inclusive seu canal, que com certeza está lá.

Mas, além do problema de direitos autorais, os dois sites promovem vários links maliciosos, disfarçados de anúncios de vídeos. Provavelmente daí vem a renda dos criadores desses clones.

Cilada Bino! O site tenta fazer você clicar em links maliciosos!

Esse assunto nos chamou a atenção depois de um vídeo publicado no canal Gestor de Marketing, do professor Olímpio Araújo Junior, que você pode ver clicando aqui.

O ataque dos clones!

E se uma pessoa quiser subir vídeos para esta plafaforma? Bem nesse caso a plataforma pede para você por suas credenciais do Google. O ponto é que com isso, você pode estar dando seu login e senha para um site não confiável. Então, melhor não!

Na internet, encontramos vários sites oferecendo scripts para que qualquer pessoa com algum conhecimento de programação possa criar seu próprio clone do YouTube.

Não recomendamos que você navegue por esses sites clones, já que não são seguros para você pois podem estar cheios de software malicioso, que pode roubar seus dados entre otras coisas.

Se você quer apoio para sua carreira de influenciador, CLIQUE AQUI e conheça o que podemos fazer por você!

como o youtube classifica vídeos sugeridos

Como o YouTube gera e classifica os vídeos sugeridos

como o youtube classifica vídeos sugeridos

Já se perguntou como funcionam os vídeos sugeridos do YouTube? Um vídeo de pesquisa do Google lança luz sobre como ele usa o aprendizado profundo para gerar e classificar os vídeos sugeridos. E nesse artigo mostramos uma análise dessas informações para você.

Até recentemente, a única resposta que consegui encontrar veio de um vídeo no canal YouTube Creators intitulado Como funcionam os vídeos sugeridos do YouTube (em inglês)

Como a descrição de 300 palavras do vídeo explica:

“Vídeos sugeridos são uma coleção personalizada de vídeos que um espectador individual pode estar interessado em assistir a seguir, com base em atividades anteriores.”

Não há como os criadores de conteúdo influenciarem o comportamento anterior de um espectador, mas isso também significa que um canal de esportes pode atrair fãs de esportes.

“Eles são exibidos aos espectadores no lado direito da página de exibição em ‘Próximo’, abaixo do vídeo no aplicativo móvel e como o próximo vídeo em reprodução automática.”

Mais de 70% do tempo de exibição do YouTube vem de dispositivos móveis, então você precisa de uma estratégia que priorize os dispositivos móveis para os vídeos sugeridos.

“Estudos sobre o consumo do YouTube mostraram que os espectadores tendem a assistir muito mais quando recebem recomendações de uma variedade de canais, e os vídeos sugeridos fazem exatamente isso. Os vídeos sugeridos são classificados para maximizar o envolvimento do espectador. ”

Portanto, otimizar seus metadados ainda ajuda, mas você também precisa criar uma abertura atraente para seus vídeos, manter e construir interesse ao longo do vídeo, bem como envolver seu público, incentivando comentários e interagindo com seus espectadores como parte de seu conteúdo.

De acordo com a descrição, os vídeos sugeridos têm mais probabilidade de ser:

  • “Vídeos… que são tópicos relacionados. Eles podem ser vídeos do mesmo canal ou de um canal diferente. ” Em outras palavras, vídeos de esportes para fãs de esportes de seu canal ou de um canal de esportes diferente.
  • “Vídeos do histórico de exibição anterior de um espectador.” A menos que você tenha uma máquina do tempo DeLorean, não há como influenciar o histórico de exibição anterior de um espectador.

A descrição do vídeo também diz aos criadores:

“Você pode ver quais vídeos trazem espectadores para o seu canal a partir dos Vídeos sugeridos no relatório Origens de tráfego (no YouTube Analytics) clicando na caixa ‘Vídeos sugeridos’.”

Sim, sim. Mas a grande maioria se os criadores do YouTube já sabem disso?

Por fim, a descrição inclui as seguintes dicas para criadores:

  • Inclua frases de chamariz fortes em seus vídeos para assistir a outro vídeo de sua série.
  • Persuadir os espectadores por que eles deveriam assistir a outro vídeo de sua série.
  • Esteja ciente de como seus vídeos terminam, pois finais longos podem desencorajar os espectadores de assistir a mais vídeos.
  • Use playlists, links, cartões e telas finais para sugerir o próximo vídeo para assistir.
  • Desenvolva uma série de vídeos que são conectados organicamente.
  • Faça vídeos relacionados a formatos populares no YouTube, como desafios ou listas.

Agora, este vídeo tem 550.000 visualizações.

Portanto, é seguro presumir que várias centenas de milhares de graduados do que antes era conhecido como Escola de Criadores de Conteúdo do YouTube sabem pelo menos isso sobre como funcionam os vídeos sugeridos do YouTube.

Portanto, isso não lhe dará muita vantagem competitiva.

No entanto, há informações mais detalhadas disponíveis – embora estivessem escondidas com segurança até que uma fonte anônima, que pode ou não ser um Bothan, me enviou um link para onde eu pudesse encontrá-las.

O link me levou a um artigo que havia sido publicado em 15 de setembro de 2016 e agora está arquivado no Google Research.

Este antigo artigo de pesquisa foi escrito por Paul Covington, Jay Adams e Emre Sargin do Google. Chama-se “ Deep Neural Networks for YouTube Recommendations ”.

Como os sistemas de recomendação do YouTube geram e classificam os vídeos sugeridos?

Há um antigo artigo de pesquisa, escrito por Paul Covington, Jay Adams e Emre Sargin do Google. Chama-se “ Deep Neural Networks for YouTube Recommendations ”. Se você está procurando uma vantagem competitiva séria, baixe o PDF e leia este documento de pesquisa por conta própria (em inglês).

Mas vamos incluir os pontos mais importantes desse artigo aqui para vocês.

O artigo deles diz:

“A rede de geração de candidatos a serem sugeridos pega eventos do histórico de atividades do usuário no YouTube como entrada e recupera um pequeno subconjunto (centenas) de vídeos de um grande corpo. Esses candidatos devem ser geralmente relevantes para o usuário com alta precisão. ”

Agora, não podemos otimizar nossos vídeos para o histórico de exibição anterior do espectador – a menos que tenhamos uma máquina do tempo.

Mas podemos criar vídeos direcionados a públicos que o YouTube também usa para direcionar campanhas de anúncios em vídeo.

Em outras palavras, seu vídeo não terminará em um pequeno subconjunto (centenas) de vídeos se for sobre um tópico totalmente diferente de outros vídeos em seu canal ou se for direcionado a um grupo demográfico totalmente diferente do que você tinha no passado.

Ah, e nem pense em criar um novo vídeo direcionado a “fãs de música” se todos os outros vídeos que os assinantes de seu canal assistiram fossem direcionados a “fãs de esportes”.

Como Greg Jarboe comentou em seu artigo: Tendências de plataforma: como a verticalização do conteúdo aumenta o alcance no YouTube e no Facebook , publicado na Tubular Insight em setembro de 2018, meia dúzia de editores pioneiros no digital reconhecem que já estão buscando uma estratégia vertical.

Aqui está a pergunta retórica que ele faz naquele artigo:

“Então, por que todos esses editores segmentariam suas propriedades em vários setores, em vez de apenas colocar uma ampla gama de conteúdo em gigantescos canais horizontais do YouTube? Porque em um ecossistema de vídeo on-line cada vez mais competitivo, você tem mais probabilidade de envolver o público com conteúdo estritamente direcionado a seus interesses especiais do que com uma coleção aleatória de conteúdo que pode ou não agradar a seus interesses gerais. Em outras palavras, é mais inteligente ir fundo do que longe. ”

Isso nos leva à segunda rede neural para classificação.

Covington, Adams e Sargin reconhecem que existem muitas maneiras de classificar os vídeos sugeridos. Mas eles divulgam:

“A classificação por taxa de cliques (CTR) geralmente promove vídeos enganosos que o usuário não conclui (‘clickbait’), enquanto o tempo de exibição captura melhor o envolvimento.”

Portanto, evite usar títulos e miniaturas enganosos, indutores de cliques ou sensacionais.

Sim, eles funcionaram no passado.

Mas, eles seguiram o caminho do dodô (uma ave que foi extinta) uma vez que o YouTube substituiu “visualizações” por “tempo de exibição” em seu algoritmo em outubro de 2012.

Ok, então a segunda rede neural não usa CTR como um sinal. Que outros sinais ele usa?

Os autores do artigo observam que “os sinais mais importantes” incluem:

  • Qual foi a interação anterior do usuário com o próprio vídeo e outros vídeos semelhantes?
  • Quantos vídeos o usuário assistiu neste canal?
  • Quando foi a última vez que o usuário assistiu a um vídeo sobre este tópico?

Covington, Adams e Sargin dizem:

“Esses recursos contínuos que descrevem ações anteriores do usuário em itens relacionados são particularmente poderosos porque eles generalizam bem em itens díspares. Também descobrimos que é crucial propagar informações da geração de candidatos para a classificação na forma de recursos, por exemplo, quais fontes indicaram este candidato a vídeo? Quais pontuações eles atribuíram? ”

Eles acrescentam:

“Recursos que descrevem a frequência de impressões de vídeo anteriores também são essenciais para a introdução de ‘churn’ nas recomendações (solicitações sucessivas não retornam listas idênticas). Se um usuário recomendou um vídeo recentemente, mas não o assistiu, o modelo irá naturalmente rebaixar essa impressão no próximo carregamento de página. Fornecer impressões atualizadas e assistir à história é um feito de engenharia fora do escopo deste artigo, mas é vital para a produção de recomendações responsivas ”.

Covington, Adams e Sargin divulgam:

“Nosso objetivo é prever o tempo de exibição esperado com exemplos de treinamento que são positivos (a impressão do vídeo foi clicada) ou negativos (a impressão não foi clicada). Os exemplos positivos são anotados com a quantidade de tempo que o usuário passou assistindo o vídeo. Para prever o tempo de exibição esperado, usamos a técnica de regressão logística ponderada, que foi desenvolvida para esse fim ”.

Em outras palavras, se você deseja otimizar seu vídeo para os sistemas de recomendação do YouTube, precisa ajudar os espectadores a encontrar os vídeos que desejam assistir e maximizar seu envolvimento e satisfação de longo prazo.

Isso é difícil.

Mas, com mais de 500 horas de conteúdo de vídeo sendo carregado no YouTube a cada minuto, isso é o que você precisa fazer atualmente.

O que isso significa para você?

Significa que você não pode ficar produzindo conteúdos aleatórios, sem um foco de assunto.
Por mais que queira, produzir um conteúdo muito variado, falando “de tudo um pouco”, principalmente se você está num ponto em que precisa muito otimizar as visualizações de seu canal, pode ser uma péssima ideia.

Se você quer ajuda profissional para seu canal, conheça nossos pacotes! CLIQUE AQUI para dar uma olhada.

Com informações do site: https://www.searchenginejournal.com

Rato Borrachudo quase perdeu seu canal: o que você pode aprender disso, como influenciador

O canal “Rato Borrachudo“, um dos primeiros canais brasileiros a viralizar uma gameplay e um dos maiores canais sobre games do Brasil, pode ser deletado a qualquer momento pelo YouTube.

Segundo informações, o canal teria usado imagens, feitas por drone, que eram de propriedade de outra pessoa (não revelada por ele). A pessoa teria aplicado 4 “strikes” (um nome dado pelo YouTube quando o proprietário de um conteúdo reclama mal uso de seu conteúdo) ao canal, condenando-o assim a poder ser penalizado à extinção.

Importante mencionar que esses “strikes” podem ser removidos, seja por uma verificação do YouTube, que pode constatar mal uso da denúncia, uma decisão judicial, ou por quem fez a denúncia. Em muitos casos o denunciante procura a parte denunciada para propor um acordo, principalmente se o canal acusado tem grande audiência. Porém geralmente, se pedem valores altos para liberar o uso do conteúdo denunciado. Em alguns casos, a parte reclamante pede centenas de milhares de reais para liberar seus conteúdos. E ao que tudo indica, esse parece ser o caso do Rato Borrachudo.

O Douglas, influenciador que dá vida ao Rato Borrachudo, criou um novo canal, que em menos de 1 semana já atingiu 1 milhão de inscritos. Um bom sinal, mostrando que os seguidores do “Ratão” são fiéis. Mas o que essa história toda (que esperamos que termine bem para o Douglas/Rato) tem a nos ensinar?

ATUALIZAÇÃO: No Twitter, o YouTube acaba de confirmar que os strikes foram removidos. Vitória para o Ratão! (https://twitter.com/TeamYouTube/status/1313131176522067974)

Em se tratando de conteúdo de terceiros, nem todo o cuidado do mundo é suficiente

O YouTube tem uma política de “fair use” (uso justo) de conteúdos de terceiros. O próprio YouTube fala sobre uso aceitável de conteúdo de terceiros e comenta o seguinte (copiado de https://www.youtube.com/intl/pt-BR/about/copyright/fair-use/#yt-copyright-protection )

1. A finalidade e o caráter do uso, incluindo se tal uso é de natureza comercial ou se presta a fins educativos que não visem à obtenção de lucro.

Os tribunais geralmente concentram-se no fato do uso ser “transformativo” ou não. Ou seja, se acrescenta nova expressão ou significado ao original ou se é apenas cópia do original. Usos comerciais estão menos propensos a serem considerados aceitáveis, mas é possível gerar receita de um vídeo e ainda aproveitar defesa de uso aceitável.

2. A natureza da obra protegida por direitos autorais.

Uso do material de obras primordialmente factuais é mais provável de ser aceitável do que o uso de obras puramente ficcionais.

3. A quantidade e a importância do trecho usado em relação à obra protegida por direitos autorais como um todo.

O uso de trechos pequenos do material de uma obra original tem maiores chances de ser considerado aceitável do que trechos grandes. No entanto, até mesmo um trecho pequeno pode ter um peso decisivo em algumas situações de uso aceitável, caso a parte em questão constitua a essência da obra.

4. O efeito do uso sobre um possível mercado ou sobre o valor da obra protegida por direitos autorais.

Usos que prejudiquem o lucro do proprietário dos direitos autorais sobre sua obra original são menos prováveis de serem usos aceitáveis. Os tribunais já abriram exceções para este fator com relação a paródias.

Nesse mesmo site do YouTube, é mostrado exemplos de “uso aceitável” de material de terceiros, o que inclui uma montagem com conteúdo da Disney. Curiosamente, o site, apesar de comentar termos jurídicos e até mesmo de dar exemplos, não deixa claro até onde um criador de conteúdo pode ou não usar um conteúdo de um terceiro. São conhecidos “strikes” por violação de direitos autorais de apenas alguns segundos, inclusive com duração inferior ao tempo mostrado nos vídeos de exemplo do YouTube.

Isso significa que um canal que poste um vídeo com o mesmo trecho usado como exemplo de fair use pelo YouTube do conteúdo da Disney corre o risco de tomar uma punição da própria Disney, por direitos autorais.

Então na prática, “vai do ânimo” do dono do conteúdo aplicar um strike ou não. Por isso, procure usar somente conteúdo seu, e de preferência, usar memes criados por você mesmo, se for o caso.

A máfia dos strikes dentro do YouTube

Isso já foi denunciado muitas vezes na internet, mas parece que ainda acontece bastante. Existem organizações criminosas atuando no YouTube, que aplicam falsas denúncias de violação de direitos autorais, para depois entrar em contato com a vítima, exigindo um pagamento para a remoção da falsa denúncia. Apesar de que em teoria, o YouTube pode verificar a veracidade da denúncia, pelo visto, nem sempre essa verificação acontece.

Além disso, existem empresas que reivindicam para si a propriedade de conteúdos que não são delas. Elas conseguem, nem sempre por meios legais, a propriedade de milhares de “memes” e saem pelo YouTube, ou distribuindo strikes, ou simplesmente direcionando a monetização de um vídeo para elas, roubando assim a renda de milhares de Youtubers.

Por isso, infelizmente se torna cada vez mais delicado manter um canal no YouTube. Mas nem tudo está perdido.

Plataformas sociais são “casa alugada” – você pode ser despejado a qualquer momento

Expressões como “no meu Facebook, eu costumo fazer isso ou aquilo” estão bem equivocadas. Algo que você precisa entender é que todas as plataformas sociais, incluindo seu canal no YouTube, NÃO SÃO suas. São das plataformas. Ali, seu canal ou perfil são espaços “alugados”, onde você pode por “suas coisas” e “morar ali” até quando o dono da plataforma queira.

É por isso que a conta de uma pessoa nessas plataformas pode ser facilmente eliminada, inclusive “porque sim”, porque alguém da plataforma determinou isso.
Vale comentar que cada plataforma tem suas regras de uso e violar essas regras pode significar o seu despejo delas.

Além disso, uma plataforma que hoje é grande e forte, amanhã pode agonizar e morrer, de maneira súbita. Se você está no Brasil, deve se lembrar do poderoso Orkut, que tinha milhões de contas e que com uma canetada da diretoria do Google foi varrido da existência. Ou do MSN Messenger, que era um sucesso mundial quando a Microsoft definiu que não queria mais manter o MSN para dar destaque ao Skype (estratégia que digamos, não foi para esse lado que eles queriam).

Então, você precisa saber que, apesar de o YouTube ser uma plataforma de enorme poder de influência no mundo todo e ser extremamente rentável para o Google, as coisas na internet mudam rapidamente. Não tem como prever quando outra plataforma social vai tomar o espaço do YouTube. Um dia, pode surgir um oponente tão popular e poderoso, que o Google pode simplesmente decidir por fim ao YouTube. E a todos os praticamente infinitos canais que estão por lá.

Então, o que fazer?

Não aposte numa plataforma só

Mesmo parecendo pouco produtivo dizer isso, novamente vamos repetir: todas as suas contas em plataformas sociais são como uma casa alugada, a qualquer momento você pode ter que se mudar para outro lugar.

Então, é importante que você tenha um plano B, C, D, E ou mais. Veja o que algumas pessoas fazem e você pode estudar fazer também:

  • Poste seus vídeos em mais locais, além do YouTube. Atualmente existem muitas opções na internet.
  • Tenha um backup do seu conteúdo, para caso de acontecer alguma coisa com seu canal.
  • Tenha uma boa comunicação com seus seguidores. Você vai precisar muito do apoio deles caso aconteça algo com seu canal. O caso do Rato Borrachudo ilustra perfeitamente isso. Em caso de emergência, peça apoio deles, e se você tiver um bom relacionamento com eles, eles vão te ajudar caso você precise recomeçar do zero em outra parte.
  • Considere ter um website. Um website, diferente das plataformas digitais, é território realmente seu, afinal, você comprou o domínio, paga hospedagem e montou o website exatamente dentro do seu agrado. O que você escrever, gravar e postar em seu site é seu. Só pode ser removido com ordem judicial ou com ataque hacker, o que é bem menos provável e mais fácil de se defender do que a excentricidade de uma plataforma social, que pode deletar sua conta inclusive, se eles não gostarem do seu conteúdo.

Ficamos muito felizes de saber que o Rato Douglas Borrachudo tenha conseguido ficar “safe” com seu canal, que já tem mais de 12 anos divertindo e influenciando positivamente milhões de pessoas.

Ei, e você quer ajuda profissional para sua carreira de influenciador? CLIQUE AQUI e conheça nosso serviço de assessoria.

Como funciona o algoritmo do YouTube?

Muitos criadores de vídeo, sejam YouTubers profissionais ou marcas no YouTube , consideram o algoritmo do YouTube um completo mistério – um poder superior que domina a contagem de visualizações, completamente fora de seu controle.

Eles acreditam que não há como entender como o algoritmo do YouTube funciona. Afinal, é um dos segredos mais cuidadosamente guardados da plataforma.

Só que não. 

Em um trabalho de pesquisa publicado em 2016, um grupo de engenheiros do Google compartilhou seus planos de como os vídeos poderiam ser exibidos através do mecanismo de recomendação do YouTube para uma melhor experiência do usuário.

Embora não tenha atraído muita atenção na época, ele tem muita relevância para o YouTube de hoje, pois, segundo o diretor de produtos do YouTube , 70% das visualizações do YouTube agora passam por esse mecanismo de recomendação.

Grande parte da discussão sobre como obter visualizações no YouTube se concentra no SEO do YouTube , na promoção de mídia social e na obtenção de inscritos . Embora eles contribuam para a descoberta de seus vídeos, eles não desbloqueiam a maior parte das visualizações que você espera obter do mecanismo de recomendações do YouTube (na página inicial do YouTube e nas sugestões de “recomendado para você”).

Se você deseja obter mais visualizações de vídeo a longo prazo, precisa entender algumas coisas sobre como o algoritmo do YouTube funciona.

Como o algoritmo do YouTube funciona

Neste  trabalho de pesquisa publicado pelos engenheiros do Google Paul Covington, Jay Adams e Emre Sargin, eles detalham os sinais que usam para classificar vídeos para recomendações do YouTube:

  1. Taxa de cliques (a probabilidade de alguém clicar no seu vídeo depois de vê-lo)
  2. Tempo de exibição (o tempo combinado que os espectadores passam assistindo seus vídeos)
  3. Quantos vídeos o usuário assistiu do seu canal
  4. Quão recentemente o usuário assistiu a um vídeo sobre este tópico
  5. O que o usuário procurou no passado
  6. Os vídeos assistidos anteriormente pelo usuário
  7. Informações demográficas e localização do usuário

Os três primeiros sinais são os únicos que você pode influenciar diretamente. O restante depende de fatores fora do seu canal para personalizar a recomendação. 

Esses engenheiros do Google afirmam que seu objetivo final de classificação é “geralmente uma função simples do tempo de exibição esperado por impressão. A classificação por taxa de cliques geralmente promove vídeos enganosos (‘clickbait’), enquanto o tempo de exibição captura melhor o engajamento. ”

Alguns podem interpretar isso como significando que a otimização para cliques fará com que você seja penalizado pelo YouTube, mas isso é um grande mal-entendido.

O YouTube está penalizando apenas as táticas de clickbait – prometendo antes do clique e fornecendo conteúdo decepcionante depois dele. A taxa de cliques ainda é tão importante como sempre. Você não pode gerar muito tempo de exibição para o YouTube sem receber primeiro os cliques, afinal. 

Você pode ver essas prioridades refletidas no YouTube Studios : o novo painel de análise do YouTube.

análise dos estúdios do youtube

Na guia Reach Viewers, você pode ver as seguintes métricas, que juntas ilustram a nova ênfase do YouTube na taxa de cliques e no tempo de exibição: 

  • Impressões: quantas vezes suas miniaturas de vídeo foram mostradas aos espectadores como um vídeo recomendado, na página inicial ou nos resultados de pesquisa.
  • Origens de tráfego para impressões: onde, no YouTube, suas miniaturas de vídeo foram mostradas para os espectadores em potencial.
  • CTR (taxa de cliques) de impressões: com que frequência os usuários assistiram a um vídeo depois de ver suas miniaturas (com base nas impressões de logon).
  • Visualizações de impressões: mede a frequência com que os espectadores assistiram aos seus vídeos depois de vê-los no YouTube.
  • Tempo de exibição das impressões:  tempo de exibição originário de pessoas que viram seus vídeos e clicaram neles no YouTube.

Repensando “clickbait”: a relação entre a taxa de cliques e o tempo de exibição

Nos últimos anos, você provavelmente viu artigos sobre a guerra do YouTube contra a clickbait,  já que a plataforma foi inundada com miniaturas de vídeos enganosas e títulos exagerados tentando manipular o algoritmo. 

Como resultado, o pêndulo girou em direção ao tempo de exibição como o principal sinal para garantir a qualidade de um vídeo. Muitos criadores de conteúdo do YouTube reagiram abandonando as táticas que os ajudaram a capturar a atenção enquanto competiam contra as centenas de horas de conteúdo de vídeo carregado a cada minuto no YouTube.

Só que isso também não funcionou.

Em uma sessão de perguntas e respostas sobre como priorizar sinais no algoritmo do YouTube, um dos mesmos engenheiros do Google, mencionado acima, admitiu: “É uma luta constante, porque você está combatendo abusos ao mesmo tempo. Portanto, se você otimizar a taxa de cliques, obterá clickbaits e, se otimizar o tempo de exibição, obterá vídeos incrivelmente longos. 

Se um vídeo tem uma alta taxa de cliques, mas gera baixo tempo de exibição, é clickbait sem dúvida. Mas se miniaturas e títulos atraentes levam as pessoas a clicar e assistir aos seus vídeos, isso é justo aos olhos do YouTube o que é ideal.

E isso nos leva ao ponto crucial do argumento: se você deseja obter mais visualizações por meio do mecanismo de recomendação do YouTube, precisa otimizar seu canal e seus vídeos para a taxa de cliques e o tempo de exibição.

5 maneiras de obter mais visualizações através das recomendações do YouTube

1. Atenha-se a uma premissa ou formato consistente para o seu canal do YouTube

A maioria dos grandes canais ou séries do YouTube pode ser resumida em 5 segundos.

Por outro lado, muitos canais do YouTube lutam para ganhar força porque tratam o canal do YouTube como um local para fazer upload de todo o tipo de conteúdo de vídeo, e não como o lar de uma série de vídeos consistente.

A consistência é a base para o sucesso no YouTube – sem ela, você poderá capturar a atenção, mas não poderá mantê-la.

Os canais do YouTube que consideram sua consistência são capazes de aumentar de forma sustentável sua base de assinantes e visualizações, pois facilita para as pessoas decidirem assistir a mais conteúdos e se inscrever no canal.

2. Alimente o mecanismo de recomendação com outras fontes

Os canais mais recentes do YouTube não podem contar com o mecanismo de recomendação para gerar todas as visualizações. 

Afinal, as recomendações são baseadas principalmente em como os espectadores visualizaram e interagiram com seus vídeos no passado. O YouTube precisa de dados para basear as recomendações e não há dados sem as pessoas assistindo seus vídeos. Portanto, faça todos os esforços habituais para promover seus vídeos, como:

  • Enviando novos vídeos para sua lista de e-mails
  • Parceria com a imprensa ou outros influenciadores
  • Como promover seus vídeos nas mídias sociais

Mas, acima de tudo, concentre-se no SEO do YouTube e obtenha mais inscritos , não apenas para obter visualizações de vídeo a longo prazo, mas também porque o que um usuário consome repetidamente na plataforma e o que ele assina são sinais-chave que o algoritmo do YouTube usa para faça recomendações personalizadas.

No artigo, os engenheiros observam que “os sinais mais importantes são aqueles que descrevem a interação anterior de um usuário com o item em si e outros itens semelhantes … Como exemplo, considere o histórico passado do usuário com o canal que enviou o vídeo sendo pontuado – como quantos vídeos o usuário assistiu neste canal? Quando foi a última vez que o usuário assistiu a um vídeo sobre esse tópico? ” 

Se você conseguir que um novo usuário continue assistindo mais conteúdo depois de clicar em um de seus vídeos, poderá aumentar as chances de seus vídeos serem recomendados para eles na próxima vez que abrirem o YouTube. 

3. Crie miniaturas que sejam clicadas

Estabelecemos que a taxa de cliques ainda é importante e que o YouTube priorizar o tempo de exibição é simplesmente uma contramedida contra a isca de baixa qualidade.

Então agora vamos falar sobre o elefante na sala – melhorando sua taxa de cliques – usando duas ótimas fontes de inspiração para miniaturas clicáveis: a guia de vídeos em destaque do YouTube e a Netflix.

Tenha close-ups de rostos expressivos ou cenas de ação

Dê uma olhada no YouTube e não verá falta de rostos altamente expressivos nas miniaturas de vídeo.

De acordo com um estudo da Netflix sobre o desempenho de obras de arte na plataforma, “as emoções são uma maneira eficiente de transmitir nuances complexas. É sabido que os humanos são conectados para responder aos rostos – vimos que isso é consistente em todos os meios. 

Uma das primeiras tendências também observadas pela Netflix, que vale a pena levar adiante em suas próprias miniaturas, é que a tendência de uma imagem de vencer outras caiu quando ela continha mais de três pessoas.

rostos expressivos nas miniaturas do youtube

Você pode otimizar suas miniaturas para cliques, incluindo um a três rostos nas miniaturas usando expressões que falam mais alto que palavras.

Se você não possui rostos emotivos em seus vídeos, também pode usar miniaturas que transmitem ação para provocar uma resposta emocional, como os caras do SlowMo . 

os caras do slow motion usam cenas de ação nas miniaturas do youtube

Siga a “regra dos terços” para compor sua imagem em miniatura 

A regra dos terços é uma maneira simplificada de alcançar a “ proporção áurea” , que estudos demonstram minimizar o tempo que leva para o cérebro processar uma imagem.

Esta diretriz de composição da imagem sugere que você posicione seu ponto de interesse não no centro da imagem, mas no primeiro ou no último terço do quadro.

exemplo da regra dos terços

Embora seja mais uma diretriz do que uma regra rígida, o design da miniatura dessa maneira permite chamar a atenção do espectador para a “mensagem” mais importante da sua imagem.

Adicione texto às suas miniaturas

De acordo com um estudo de 2019 da Sandvine , o YouTube agora responde por 37% de todo o tráfego móvel na Internet. Isso também significa que um segmento justo de seus espectadores verá seus vídeos em um dispositivo móvel.

O destaque da sua miniatura em relação ao título quase garante que os olhos do usuário sejam atraídos pela miniatura do vídeo primeiro. E então, se acharem a imagem atraente o suficiente, eles lerão o título. 

Então, por que não adicionar algum texto à miniatura para ajudar os espectadores a se decidirem?

O texto pode ser o título do seu vídeo ou até apenas algumas palavras relacionadas ao seu gancho. Qualquer que seja a sua escolha, se mais de um terço dos seus espectadores estiverem acostumados a “ler” miniaturas no celular, verifique se suas próprias miniaturas podem comunicar o que é o seu vídeo, mesmo sem o título.

Marque suas miniaturas

Se você olhar para a guia de tendências no Youtube, notará que muitos dos vídeos de tendências otimizaram sua “primeira impressão” usando as táticas descritas acima.

As miniaturas do YouTube podem ser muito semelhantes esteticamente, facilitando assim a visualização rápida de seus vídeos, aumentando as chances de que eles sejam clicados por pessoas que já conhecem o seu conteúdo.

Se você tem um formato consistente para o seu canal do YouTube, considere marcar suas miniaturas para diferenciá-las de outros vídeos recomendados.

4. Incentive os espectadores a ficarem depois que clicarem

Fazer com que as pessoas vejam seus vídeos é uma coisa. Fazer com que eles assistam a um vídeo completo é outro.

Felizmente, você pode melhorar sua taxa de conclusão de vídeo (e ganhar mais tempo de exibição) incorporando esse objetivo ao seu processo de criação de vídeo:

  • Comece forte e incorpore um “gancho” na introdução do seu vídeo
  • Transcreva seus vídeos para que as pessoas possam assisti-los sem áudio
  • Ajuste a duração dos seus vídeos de acordo com suas análises (até onde os espectadores realmente chegam antes de sair?)
  • Não use a mesma foto por muito tempo ou você pode entediar o espectador (é por isso que os cortes de salto são populares no YouTube)
  • Se o seu vídeo for longo, salpique em momentos de interrupção que redirecionam a atenção do espectador quando ele começa a vagar 

5. Incentive o consumo de vídeos no seu canal

Você também pode otimizar o tempo de exibição no nível do canal, empregando estratégias que envolvem consistência e consumo de vídeo.

Além de ter uma premissa focada para o seu canal do YouTube, que é provavelmente o fator mais importante, algumas outras maneiras pelas quais você pode tornar mais fácil para os espectadores assistirem mais ao seu conteúdo incluem:

  • Usando cartões e cartões finais para recomendar manualmente vídeos relacionados 
  • Vincular a vídeos em listas de reprodução sempre que você compartilhar, para que o próximo vídeo que o usuário assista seja sempre seu
  • Desenvolvendo um formato consistente da miniatura para o próprio vídeo – se os espectadores gostarem de um de seus vídeos, eles deverão supor com razão que gostarão de seus outros vídeos.
  • Incorporar uma frase de chamariz específica ou até cenas de outros vídeos para “direcionar” os espectadores diretamente para consumir mais conteúdo. 
cartões do youtube para incentivar a compulsão por assistir no youtube
Os cartões podem ser usados ​​para levar os espectadores mais abaixo na toca do coelho do seu canal do YouTube.

À medida que o algoritmo do YouTube muda, uma coisa permanece a mesma

O algoritmo do YouTube mudou muito ao longo dos anos, deixando cada vez mais criadores e marcas se perguntando por que os métodos em que eles confiaram não estão mais funcionando.

Mas, à medida que o algoritmo do YouTube evolui, lembre-se de que o objetivo da plataforma permanece o mesmo: atrair mais pessoas para assistir e interagir com mais vídeos no YouTube. E isso não é tão diferente do seu.

Somos uma agência de influenciadores digitais. Se você precisa de apoio para sua carreira, conheça nossos pacotes. CLIQUE AQUI.

fonte: shopify.com

10 dicas para iniciar um canal do YouTube

Com a continuação aumento da cultura de blogs de vídeo , é completamente compreensível que qualquer jovem experiente em tecnologia seja atraído pela idéia de iniciar um canal no YouTube. Afinal, é um hobby divertido e interativo com o potencial de transformar você em uma personalidade on-line popular – com o benefício adicional de ajudá-lo a conhecer novas pessoas, obter material gratuito de empresas e, é claro, obter uma renda bastante impressionante.

Mas se você deseja obter um aumento constante de seguidores ou pelo menos publicar conteúdo decente que tenha um bom número de visualizações e curtidas, precisará fazer mais do que apenas se tornar um membro colaborador no YouTube. Aqui estão algumas dicas úteis para garantir que você aproveite ao máximo seu empreendimento no mundo dos vlogs e criação de conteúdo.

Mulher gravando um vídeo de maquiagem para seu canal do YouTube
Imagem via Shutterstock

Aqui estão algumas dicas para iniciar um canal bem-sucedido do YouTube:

Planeje seu conteúdo

Antes de criar seu canal no YouTube, você provavelmente já decidiu o tipo de conteúdo de vídeo que deseja exibir. As melhores maneiras de aumentar suas visualizações e conquistar seguidores ainda é manter seu conteúdo interessante e envolvente; quanto mais as pessoas puderem se relacionar com ela, mais elas quererão clicar nela e assistir até o final.

Mulher pensando em idéias para o canal do YouTube
Imagem via Shutterstock

Também ajuda a manter o seu tema, se você tiver um. Por exemplo, muitos YouTubers de sucesso têm canais dedicados para viagens, tutoriais ou suas vidas diárias. Os espectadores gostam de viver indiretamente através das pessoas que assistem, para que saibam o que podem esperar e forneçam material interessante que possam desfrutar.

Arme-se com o equipamento certo

O uso do smartphone é certamente uma maneira aceitável de gravar vídeos, mas se você deseja que os espectadores apreciem seu conteúdo, é realmente bom investir no equipamento certo. A maioria dos YouTubers usa DSLRs ou câmeras sem espelho, juntamente com outros acessórios essenciais para videografia , como tripés, lentes e iluminação de estúdio.

Imagem plana de equipamento essencial para videografia
Imagem via Shutterstock

Lembre-se, porém, que uma boa câmera de vlogging não é tudo. Se você negligenciar outras coisas, como qualidade de áudio e iluminação, seus espectadores ainda poderão perder o interesse em seus vídeos após os primeiros segundos e não se inscreverão para você.

Invista em um bom microfone que você possa montar em sua câmera. Ao mesmo tempo, lembre-se das condições de gravação e crie o hábito de verificar se o áudio é nítido o suficiente para que os espectadores entendam. Para obter melhores resultados, use um microfone de lapela projetado para captar o som principalmente da frente, para que o ruído dos lados e atrás do microfone possa ser cancelado. Alguns vloggers chegam ao ponto de investir em vários microfones para diferentes situações de gravação – você pode precisar de um microfone de lapela (pequenos microfones que podem ser afixados à sua camisa) para gravar vídeos de fitness ou qualquer outro tipo de vídeo que exija que você esteja longe longe da câmera ou de um bom microfone condensador (ou qualquer microfone comumente usado para podcasting)) que permitirá fazer narrações nítidas.

Procure Inspiração

À medida que avança, pode ser mais desafiador apresentar novos conteúdos que correspondam ao hype dos seus primeiros vídeos. Mas não se preocupe – até mesmo os artistas estabelecidos do YouTube passam pela mesma coisa de vez em quando. O segredo é procurar inspiração em todos os lugares – mesmo quando você está fora e faz uma pausa na gravação. Liste suas idéias. Confira outros vídeos e aproveite as ideias deles para torná-los seus.

Mulher assistindo um vlog de viagens em um tablet
Imagem via Shutterstock

Evite se comparar com outras pessoas e concentre-se em seu próprio canal. Contanto que você goste e aproveite os conceitos apresentados, seus espectadores sentirão sua sinceridade e amor por seu ofício, e isso ajudará a despertar o interesse deles. Enquanto você está nisso, aproveite todas as oportunidades para melhorar e evoluir em outras áreas. Explore outras técnicas de filmagem de câmera , estilos de edição e abordagens da sua apresentação.

Faça cada segundo contar

É igualmente importante que você produza conteúdo de qualidade e exclua tudo o que você acha que pode não contribuir para melhorar seus vídeos. Isso significa que você precisa ser seletivo com os clipes incluídos no corte final. Escolha apenas suas melhores fotos (e recorte momentos de ar morto) para manter os espectadores interessados ​​e envolvidos durante todo o vídeo.

Homem filmando um vídeo de revisão de laptop para seu canal no YouTube
Imagem via Shutterstock

Depois de obter um número maior de seguidores, você pode ter um pouco mais de liberdade para incluir algumas dessas cenas artísticas (ou sem sentido), mas lembre-se sempre de pensar como um espectador e criar o que você gostaria de ver.

Comece com o software de edição simples

Só porque você está criando vídeos, não significa que você precisa de um software avançado (como o Final Cut Pro) para editar seu conteúdo. Esses programas de software não melhoram necessariamente seu conteúdo, principalmente se você estiver enfrentando muitos problemas durante as primeiras semanas.

Mulher editando um vídeo para o canal do YouTube em um laptop
Imagem via Shutterstock

Se você é novo na edição de vídeos, faria muito melhor com programas simples como o Windows Movie Maker ou o Apple iMovie. Eles são muito mais fáceis de usar e podem ser baixados facilmente (de graça), se você ainda não os tiver no seu computador.

Otimize seus vídeos

Outro segredo para dar mais visibilidade aos seus vídeos é otimizar seu conteúdo para ajudá-lo a ser classificado no YouTube. Assim que você enviar o seu primeiro vídeo, forneça um título descritivo e bom que os espectadores provavelmente escrevam na barra de pesquisa – e inclua sua palavra-chave principal ou frase-chave. Por exemplo, o título “Viagem de aniversário para Nova York” é muito melhor que “Nova York, vamos lá!”

laptop com foto de uma mulher e beleza gráficos relacionados
Imagem via Shutterstock

Além disso, certifique-se de usar tags relevantes que ajudarão a colocar seu vídeo em várias categorias relacionadas. Em caso de dúvida, analise a concorrência e verifique quais tags outros vídeos semelhantes estão usando. Por fim, escreva uma boa descrição com pelo menos 200 palavras e inclua as palavras-chave alvo, sinônimos e variações de palavras-chave de cauda longa. Isso não apenas ajudará os espectadores a descobrir exatamente do que se trata o seu vídeo, mas também o ajudará a classificar nas páginas de resultados dos mecanismos de pesquisa.

Crie sua rede

Embora não seja necessariamente classificado como um site de rede social, o YouTube tem tudo a ver com conectar, compartilhar e colaborar com outros usuários. Portanto, para ter sucesso, você precisa fazer um esforço para construir sua rede. Isso é particularmente crítico na comunidade do YouTube, pois as colaborações entre criadores se mostraram eficazes em ajudar um canal a crescer e conquistar novos inscritos, pois ajuda os dois colaboradores a ganhar exposição com a base de inscritos do outro.

Duas mulheres filmando um vídeo para o YouTube
Imagem via Shutterstock

Converse com outros criadores, faça amigos e não tenha medo de entrar em contato com YouTubers maiores para obter informações sobre uma possível colaboração. Certamente pode ser intimidador, mas você não chegará a lugar algum a menos que tente!

Conecte-se com seus espectadores

Com o tempo, você ganha lentamente seguidores e recebe mais comentários dos fãs em seus vídeos e, eventualmente, recebe mensagens em suas contas pessoais de mídia social – você pode até receber algumas mensagens de fãs, caso decida compartilhar sua caixa postal . Tanto quanto possível, reserve um tempo para se conectar com seus espectadores. Lembre-se de que suas contas de mídia social são uma extensão do seu canal do YouTube, então tente compartilhar momentos da sua vida em plataformas sociais populares como Instagram, Twitter e Snapchat. Também é importante que você tente ler e responder a todos os tweets, comentários e quaisquer outras mensagens que receber (o máximo que puder).

Homem sorrindo enquanto conversava em seu laptop
Imagem via Shutterstock

Tais interações são importantes, pois ajudam seus assinantes a aprender mais sobre você, além de ajudar a promover um senso de comunidade e camaradagem on-line entre sua pequena comunidade. Não basta que eles gostem do seu conteúdo; eles também precisam gostar de você e da experiência geral deles com seu canal.

A interação com seus espectadores também pode ajudá-lo a obter inspiração para novas idéias de conteúdo. E, no mínimo, manterá você inspirado a continuar, apesar das dificuldades de crescer e manter seu canal.

Ignorar todos os comentários negativos

Não importa quão grande ou pequeno o seu canal, sempre haverá comentários negativos. Afinal, o YouTube é um foco para pessoas cruéis que se escondem convenientemente atrás de seus avatares em branco. Não importa se o seu conteúdo for bom e o quão duro você trabalhe em seu canal, sempre haverá pessoas que farão comentários odiosos e tentarão derrubá-lo.

Mulher lendo comentários de ódio em seu telefone
Imagem via Shutterstock

Em vez de deixá-los afetá-lo, lembre-se de que você não pode agradar a todos e não esqueça aqueles que apreciam você e o que você faz. Busque força dessas pessoas para superar a negatividade e continuar produzindo conteúdo para elas.

Carregar vídeos regularmente

Outra dica importante é ser consistente com seus envios. Não importa o quão imperfeito você ache que seu conteúdo seja, é importante que você continue divulgando seus vídeos, como acontece com os podcasts .

Mulher gravando um vídeo de moda para seu canal do YouTube
Imagem via Shutterstock

Alguns proprietários de canais do YouTube publicam vídeos uma ou duas vezes por semana e informam aos espectadores sobre essa programação (geralmente no final de cada vídeo) para que os espectadores saibam quando voltar. Isso proporciona a um canal uma chance maior de obter um fluxo constante de visualizações, especialmente quando ele obtém vários inscritos ativos. Depois de descobrir uma programação conveniente que funcione para você, cumpra-a. Você deve melhorar e obter mais atenção rapidamente!

Se você quer ajuda profissional para seu canal no YouTube, somos uma agência de influenciadores digitais e podemos ajudar. Conheça nossos pacotes, CLIQUE AQUI

fonte: https://www.adorama.com/

6 erros básicos que Youtubers iniciantes não devem cometer

Youtuber de sucesso em 2020! Essa é sua meta?
Muita gente começa um canal, já pensando que em pouco tempo terá seus milhares de inscritos, milhares de visualizações por vídeo e já se vê em um curto espaço de tempo com mais de 1 milhão de inscritos. Isso acontece com você também? Se sim, não se preocupe, todo mundo tem o direito de sonhar e querer ter sucesso no que gosta de fazer.

Mas às vezes, o desejo de ter sucesso leva a pessoa a cometer alguns erros que podem atrasar seu sonho de ter sucesso no YouTube em 2020. Vamos comentar alguns desses erros.

1. Pensar que você merece sucesso imediato no YouTube

Até você provar seu valor primeiro ao seu público e depois ao YouTube, lamento dizer, mas você não tem direito a absolutamente nada. Lembre-se, esta é uma plataforma gratuita. Você pode falar com um público global e impactar suas vidas, mas precisa fazer isso primeiro antes de merecer qualquer recompensa.

Obviamente, seria fantástico se o YouTube fosse um campo de jogo completamente equilibrado e todos desfrutassem do sucesso que merecem, dependendo do conteúdo que criarem.

Mas haverá alguns criadores que têm um momento viral com conteúdo impactante, enquanto outros se esquivam de criar vídeos bons que por isso, nunca são vistos pelo público que merece vê-lo.

Infelizmente, esse é o YouTube, mas no momento em que você assume que deve receber isso ou aquilo ou que esse criador não deve obtê-lo, porque seu conteúdo é melhor então é momento de você pensar primeiro em quem deve estar em primeiro lugar: o público que você quer atingir e que sejam seus inscritos. Primeiro vem seu público, depois vem você.

2. Exclusão de conteúdo do seu canal

Existem duas razões principais para isso:

Primeiro, você está danificando as métricas do seu canal. Se você excluir um vídeo, ele removerá todas as visualizações e todo o tempo de exibição. O que é especialmente importante para as pessoas que trabalham com a monetização. Em segundo lugar, não fique constrangido com o conteúdo que você já possui em seu canal.

Se você olhar para canais que hoje são famosos poderá ver as centenas de vídeos terríveis que eles publicaram antes de serem um sucesso. Portanto, é maravilhoso e fascinante ver o progresso de um criador que saiu do nada e agora é uma mega estrela do YouTube.

3. Criar Conteúdo Fora do Tema do canal

É interessante porque geralmente é um sintoma de um canal que não tem foco ou tem muita autoindulgência. Você está criando uma série de vídeos para um público específico e decide fazer algo um pouco diferente. E esse vídeo um pouco diferente decola no seu canal. E você fica com a decisão de tentar ou não aproveitar esse vídeo bem-sucedido ou continuar a segmentar seu público-alvo com o qual estava tentando se envolver.

De repente, você deixa de se tornar um canal de viagens para um canal de beleza ou um canal financeiro para um canal de revisão de laptops. Não caia na tentação de mudar o assunto de seu canal, a menos que você esteja totalmente decidido a fazer essa mudança. Mas saiba que isso vai te trazer consequências que você pode não gostar depois.

4. Inconsistência (postar só quando “der na telha”)

Em última análise, tudo isso tem a ver com foco. Encontrar seu nicho, percorrer cinco centímetros de largura por um quilômetro de profundidade, sobre um tópico específico, e formar uma audiência através da consistência. O que naturalmente nos leva ao tópico da inconsistência.

Isso pode ocorrer em diversas formas e tamanhos.  Mas para muitos criadores, é a inconsistência da saída de vídeo. É por isso que é bom ter algum tipo de programação no fundo da sua mente. Seja fiel a ele religiosamente, postando no mesmo dia da semana, ao mesmo tempo ou informando ao público que publicará alguns vídeos por semana. 

Se você criar cinco vídeos em uma semana, isso é ótimo. Talvez publique quatro delas e guarde uma para mais tarde, quando precisar fazer uma pausa.

5. Confiar em apenas uma plataforma de vídeo

Se  você colocar “todos os seus ovos em uma cesta” de mídia social, basta o YouTube acionar um botão, como fizeram com o Adpocalypse, a COPPA e a FTC , para ver seu canal, seu público, seus negócios em potencial cair pelo chão.
O conteúdo publicado no YouTube é de propriedade do YouTube. Então se amanhã a plataforma deixar de existir, ou ainda se o YouTube decidir dar outro foco para os vídeos e eliminar canais fora desse foco, você corre o risco de perder todo seu trabalho.

É por isso que, a longo prazo, é importante diversificar suas habilidades, seu alcance, sua marca, por assim dizer. Sei que as pessoas odeiam essa palavra, sua presença na Internet não pode se restringir apenas a uma plataforma que, com efeito, tem total controle sobre o destino de seu sucesso.
Existem várias opções e não é má ideia você ter conteúdos em mais de uma delas.

6. Ignorar seus dados do YouTube Analytics

Ok, então você fez sua pesquisa, sabe qual é o seu título e gravou o vídeo. Você tem a melhor miniatura possível, o melhor título possível e publicou seu vídeo. Mas o YouTube ainda não está recomendando seus vídeos. O que está acontecendo?

Ok, agora você é detetive; você está analisando suas análises e procurando pistas. Um dos melhores lugares para procurar pistas está em algo chamado retenção . A retenção é basicamente um indicador informando em que momento as pessoas deixaram o seu vídeo. Eles estão assistindo a 20% do seu vídeo e saindo? Ou 50% do seu vídeo e depois sair? Esse é um sinal muito, muito importante para o YouTube, porque se refere à qualidade do conteúdo.

Pense nisso do ponto de vista do YouTube. Se você tem um vídeo com um título incrível e uma miniatura incrível, mas as pessoas estão assistindo 1% e saindo imediatamente, isso emite um sinal de que talvez seja um vídeo com isca de clique. Talvez você não esteja entregando o que prometeu em seu título e, portanto, o YouTube certamente não recomendará seu vídeo. No entanto, se o seu vídeo tiver uma taxa de retenção de 50, 60, 70%, o YouTube dirá: “Ok, bem, se as pessoas estiverem assistindo a 60 e 70%, vamos tentar com um público diferente. Vamos distribuí-lo cada vez mais , e mais.”

A primeira coisa a fazer é olhar para a retenção de meus vídeos individuais. Veja em que formato está o gráfico. As pessoas caem logo no começo? Isso me diz que eu não os capturei o suficiente, não os liguei o suficiente, não cumpri minha promessa desde o início. Não prendi a atenção deles. Eles vieram para o vídeo, viram o começo e disseram: “Isso é chato, não é pra mim. Vou sair fora daqui”. Então eles deixam o seu vídeo.

Se você observar que as pessoas ficam na parte inicial do vídeo, mas estão saindo no meio, descubra por que elas deixaram no meio, nesse ponto. De fato, no gráfico de retenção, você pode realmente clicar nesses vários pontos e reproduzir o vídeo ao mesmo tempo. Talvez você tenha se repetido de novo e de novo e de novo. Talvez você tenha falado sobre um tópico por muito tempo. Talvez tenha sido algo que saiu do tópico e você tenha perdido parte do seu público. Aprenda com esses erros para não repeti-los no próximo vídeo e no próximo vídeo.

A retenção é, na verdade, dividida em três: sua introdução, sua parte inicial, seu meio, que é a carne e os ossos do seu vídeo, seu conteúdo e o outro, que é o bit final. Melhore em cada seção. Especialmente o começo, para garantir que as pessoas não saiam imediatamente. Trabalhe na sua introdução, talvez a recorte, diminua. Talvez você deva diminuir ou até eliminar aquelas belas animações da introdução do canal – as pessoas não se importam com esse tipo de coisa, apenas querem a informação do vídeo. Se você achar que é isso que as pessoas estão deixando, se livre disso, pare com isso. Então comece a entrar no assunto de uma vez. A retenção é um recurso super, super poderoso e muito subestimado, ao qual precisamos prestar muito mais atenção.

Se seu sonho é ser um grande criador de conteúdo, podemos ajudar. Clique AQUI para saber como trabalhamos.

Problemas em alterar o nome do canal depois de grande

Pensemos aqui em uma grande marca, que há anos vêm trabalhando seus valores e conquistando seu público. Agora imagine que por algum motivo, essa marca tem que trocar de nome (apenas o nome, os serviços continuam o mesmo).

Ah, é só um nome! Troca, ué.

Não é tão fácil assim. Essa marca têm lojas físicas em várias cidades, e nessas cidades existem vários pontos com outdoors dela (todos com sua logo).

Ela também possui anúncios rodando em rádios locais e nas redes sociais.

Com uma mudança de nome, virá também uma nova identidade visual. Que trocará completamente o que os clientes conheciam antes. Impactando diretamente na questão financeira, no momento da troca e depois dela.

Por exemplo: uma pessoa que frequentava uma das lojas da marca antes da mudança, recomendou a mesma para alguns amigos, falando o antigo nome (já que não sabia das mudanças), e indicando a localização.

Esses amigos foram a localização indicada, mas chegando lá, eles viram um nome diferente do que foi falado, na fachada. E decidiram não entrar, pensando que não era a loja indicada. Resultando na perda de possíveis novos clientes.

Mas o que isso tem a ver com o nome do meu canal? É completamente diferente!

É, realmente é diferente. Mas as semelhanças são maiores do que imagina. Pense que seu canal já tem um público bom e que você também precisa mudar o nome do canal, como a nossa marca.

Isso significa, mudar seu nome em todas as redes sociais que está presente, significa alterar sua logo, e alterar até, seus produtos (caso tenha uma lojinha online).

O exemplo da recomendação também serve aqui. Imagine quanto inscritos você irá deixar de ganhar, porque as pessoas não acham o nome do seu canal!

Por isso é tão importante você fazer uma escolha de nome segura. Para não ter problemas posteriores.

Se você quer que a gente cuide de sua carreira como influenciador, entre em contato! Clique aqui!